Terça-feira, 22 de Maio de 2007

Vingança, sangue e HIV

 

Um Mês precisei para refrescar as minhas memórias, e aliviar a artrite que ganhei ao longo dos anos nas mãos, acontecimento perturbante para uma recém escritora erótica.

Em um Mês a malta perde o ritmo das leituras eróticas, e como algumas queixas foram debatidas pelo atraso das escritas, fiz um esforço e recomeçei a escrever novamente.

Sem mais demoras, depois da longa descrição do ambiente da mais velha profissão do mundo, com hesitação nos termos das funções da mesma, continuarei o assunto último, que publiquei.

Antes disso, e a propósito do assunto, gostava de relembrar as mudanças que esta profissão tem sofrido. Em todos os aspectos. No meu tempo havia casas propositadas para estes fins, e não se avistavam estas mulheres na rua procurando clientes. Hoje em dia as coisas são diferentes. A pesar de continuarem a haver casas da vida, podemos encontrar, se soubermos onde procurar, estas mulheres no centro das grandes cidades. Talvez como os taxistas esperam junto dos aeroportos, as prostitutas esperam junto de Câmaras Munincipais ou outros polémicos lugares de encontro de gentes importantes. Outras foram as alterações, que não merecem ser citadas, visto estarem subentendidas na sociedade actual.

Sendo assim, durante a minha efémera juventude, e já com alguma experiência a nível profissional do ramo que escolhera, contraí violentamente o vírus da sida. Ainda hoje sou portadora de HIV, acção que não me afecta visto que o vírus não se manifestou a meu desagrado.

Descobri este facto aos meus 17 anos, meses depois de me ter iniciado no Mundo da Prostituição. Naquele ano foram iniciados os testes que acusavam a posse, ou não, do vírus. Apesar de na altura ficar alarmada, com o medo da minha ignorância no que respeita a doenças sexualmente transmissiveis, hoje em dia o porte de HIV tornou-se como uma arma de vingaça, contra todos os Senhores da alta, que se julgavam donos de si mesmos. Para ser sincera, não fosse Miguel Trindade, estaria hoje casada, com filhos e netos, fingindo uma falsa felicidade de dona de casa. Agradeço o papel de Trindade, no que toca ás decisões que por ele tomei, e os caminhos que por ele percorri.

Contrandizendo-me á fatisfação que tinha em exercer o árduo trabalho de prostituta, consumia um tal ódio e revolta que utilizava o meu vírus como uma serpente utiliza o seu veneno. Achava-me no direito de contaminar a população inteira. Fazia de propósito o não emprego de preservativo no dia-a-dia, e reconhecia que certos Senhores, ao fim de um tempo, deixavam de frequentar o Albergue de Maria do Carmo. Esta, não só foi uma das minhas vinganças contra os frequentadores do albergue, como foi uma das causas do fim do mesmo.


Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

Tempos de Albergue(s)

 

Bizarro o tempo de Relações Públicas, no famoso albergue de Emília do Carmo. Tempo necessário á aprendizagem de um Como ganhar o melhor da vida, no menor espaço de tempo. Recordações da altura, revelam o orgulho que tinha em ser uma mulher da vida. Sentia-me a rainha do meu Mundo, onde todos os pobres necessitados que ali paravam, me imploravam pelo prazer que só eu poderia dar. Estava nas minhas mãos extinguir, por momentos, a penúria de prazer que ganharam em casa.

Os quartos cheiravam a Afrodite. Os lençóis das camas não escondiam todo o suor, todo o fluído e todas as lágrimas de revolta da profissão, que ali se entranharam.

Poucos eram os segredos que tal profissão escondia. No Mundo da prostituição não havia lugar para partilhas e afectos. Tudo era promíscuo. Tudo era sexo.

As comerciantes, como se de empresárias se tratasse, eram rainhas do império onde os fregueses mendigavam por satisfazer fantasias inventivas. Elas eram o poço do prazer, que muitas outras lá foram invejavam e por medo ou dignidade se recusavam a admitir. Os grande Senhores que por lá passavam, esses nunca revelavam a sua verdadeira identidade, chegando até fingindo ser quem não eram.

 

Dois anos durou a minha escravidão no albergue de Emília do Carmo. Dois penosos anos, que me marcariam para o resto da minha vida, sem eu nunca suspeitar.


Posted by Maria Albertina @ às 19:15
link do post | Lamenta! @ | Cusca as lamentações @ (4) | Add aos Favoritos!
Segunda-feira, 2 de Abril de 2007

Saltinhos excentricos ao Passado.

 

E foi aquele desejo insaciável que fez com que eu voltasse a cair na tentação do passado.

E foi na certeza que é bom pecar, que singelamente atingi violentamente com três fortes pancadas, a porta da casa de Miguel Trindade. Dezasseis anos, e uma semana.

No fogoso desejo de possuir o meu galanteador, sem olhar a quem, sem me deter, sem nunca pensar no que me esperaria por detrás daquela forte porta de madeira dócil, me senti desesperada.

Esperei, aguardei e por fim conjecturei uma falsa perfeição do Senhor bem formado, que o transacto me tinha oferecido a conhecer.

Naquela noite incandescente de amor, singular a qualquer uma, quando Miguel Trindade desventrou o seu objecto aliciado de paixão, ausentou-se para um nunca mais voltar.

 

Assim, dois meses tardios, sem nunca ter desistido da porta daquele, cujo faliu a minha santidade, decidi reviver todo o tempo perdido. E maldita seja a hora que conheci Emília do Carmo. Aquela Mulher, sinónimo de Pecado e comerciante de deleite e excitação. Dona do albergue da cidade, que alicia qualquer ser com as suas propostas obscenas e imorais. Assim fui eu sardinha em alto mar, pescada pela grande embarcação da prostituição. Na ingenuidade da altura, acompanhada pela falta de maturidade e consciência, deixei-me dominar pelo negócio impúdico e ordinário, no qual os fregueses eram tão generosos como hipócritas, nauseabundos e sebentos. A verdade é que a minha aptidão para o ramo se revelou excepcional, e devo-o a Miguel Trindade. Rapidamente substituí o lugar de Emília do Carmo, como Relações Públicas (não Púbicas...). Dois anos mais tarde, seria eu, a dona e chefe do meu próprio albergue, e foi no furor desta excitação e excentricidade que, já enriquecida monetariamente, abandonei a carreira de Comerciante, onde o Prazer não era conquistado pela Paixão, mas sim Comprado pelo desejo.


Posted by Maria Albertina @ às 23:17
link do post | Lamenta! @ | Cusca as lamentações @ (7) | Add aos Favoritos!
Terça-feira, 20 de Março de 2007

Aquela Viagem

Não longa, não pequena. Apenas efémera.
Assim começa uma viagem, assim começa uma história. E é assim também que começo por contar os desastrosos encontros amorosos, que todas as rugas realçam não só na minha face, como no meu coração.
Ultimamente assombram-me na memória, aquelas mãos cálidas que envolviam não o meu corpo mas sim a minha alma. As mãos que em tempos descobriram os mais recônditos becos sem saída do meu corpo. Corpo esse, desgastado e experiente, que em décadas é alvo de inúmeras histórias para contar.
Pois bem, essas mãos cálidas, penetravam os meus sonhos, apagando quaisquer vestígios de outrem. Com aquelas mãos, percorrendo as partes mais sensíveis do meu corpo, sentia sempre que era a primeira vez. Uma sensação única, invulgar e extremamente excitante. Chegada a noite em que completava os meus dezasseis anos, entreguei-me inevitavelmente ao dono daquelas mãos cálidas. Aquele que possuía o meu pensamento nos meses anteriores. Não um Homem, um Senhor. Vindo de boa família e bem parecido. Porém, nem tudo correspondia á minha fantasia, e o que ele possuía de vaidade, não o tinha em honestidade. Entreguei-me naquela noite. Sentindo-me a mulher mais venerada que alguma vez se conheceu. E naquela relva longa e derrapante, lá estava eu. Tal e qual como tinha vindo ao Mundo, deitada ao cheiro do orvalho. Sentindo aquele olhar que me possuía de vontade e excitação. Não demorou até saciar parte dessa vontade, no desenrolar daquela mão cálida pelo meu corpo, corpo jovem e esbelto jamais experimentado em tempo algum. E foi sentindo o acariciar dos meus seios, com suaves beijos e alguns mimos, que um grito percorreu o meu ser, sufocando a minha garganta, e estremecendo os orvalhos ao meu redor. Aconteceu. O Sr. Miguel Trindade, desprezando a minha inexperiência, faliu a minha virgindade. Acabando com o cheiro do orvalho, e possuindo no campo cheiro de violação e sexo.
Nada é por acaso, e depois daquela noite, sem gemido que faltasse, nunca mais senti se quer o cheiro de Miguel Trindade. Tinha sumido. Meses antes a essa noite, aqueles fogosos encontros em que a vontade do desconhecido desejo me invadia a atenção, em que as tais mãos cálidas percorriam os mais recônditos lugares do meu ser sem algo mais me penetrar, são hoje lembrados com saudade e fugaz excitação.
Terá sido Miguel Trindade uma mera fantasia? Terão sido aquelas mãos cálidas, não mais que uma adolescente masturbação junto ao orvalho? Duvido que tamanha emoção não passe de uma fantasia.
> Peço Tantas desculpas aos q anteriormente comentaram! xD Causa: Problemas técnicos..

Posted by Maria Albertina @ às 17:45
link do post | Lamenta! @ | Add aos Favoritos!

.Paneleiradas da Albertina - Quem é esta Esbelta Senhora?


. Ver Perfil

. Adicionar como amigo

. 1 seguidor

.Procurar Memórias <3

 

.Maio 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Ultimas Memórias@

. Vingança, sangue e HIV

. Tempos de Albergue(s)

. Saltinhos excentricos ao ...

. Aquela Viagem

.Velharias@

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.Quem é a Maria Albertina?

Uma esbelta Senhora, de corpo desgastado, cuja cara é preenchida por rugas, sinónimo de inúmeras vivências cómicas e eróticas, reveladas num blog um tanto promíscuo.